Amigos do Blog

Quer receber as minhas postagens? Siga-me por e-mail

Total de visualizações de página

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Fim da Rádio MPB FM....

Como é de costume circular pelas redes sociais muitas informações inverídicas, resolvi pesquisar no Google se a postagem na qual dizia que a Rádio MPB FM, 90,3 mhz, sairia do ar na primeira hora de hoje era de fato verdade... para meu espanto era. E mesmo vendo de cara a imagem (que postei acima), confirmando o assunto, era difícil acreditar que uma rádio de uma importância tão grandiosa para a nossa real cultura teria um fim assim. 

Conforme foi anunciado no site do O Dia, os funcionários da rádio foram pegos de surpresa, e só tiveram conhecimento do encerramento das atividades da rádio no final da tarde de terça, ou seja um dia antes. 

O apresentador do Programa Você na MPB, Yke Leon disse o seguinte sobre a questão:
"A nossa tristeza não é só da demissão em massa de 40 funcionários, mas também porque a gente acreditava que a rádio cumpria um papel de resistência na cultura. Um papel que não tem mais ninguém fazendo. A nossa ficha ainda não caiu".
Creio que mais um vez a nossa cultura, que está contaminada por coisas como o "sertanojo", que não se parece em nada com o gênero de qualidade que por gerações resistiu as influências que de nada seriam benéficas para manter a pureza do seu regionalismo, sai perdendo. Também pudera, em um país onde um presidente tenta extinguir o Ministério da Cultura, não pode ser uma nação que de fato tenta preservar o seu patrimônio cultural

Nessa contaminação também não poderia deixar de citar esse tal "fanque"... não aquele que é realizado por artistas do naipe de Fernandinha Abreu ou do Grupo Funk Como Le Gusta, que sabem mesclar esse gênero de boa sonoridade com outros estilos... pois esse na realidade é funk mesmo.

Há ainda esse tal de "pacote sem raiz", que não lembra de modo algum o nosso bom partido alto, tão bem representado por artistas como Lecy Brandão, Arlindo Cruz, Sombrinha, Zeca PagodinhoGrupo Fundo de Quintal e todos aqueles que seguem essa linha genuinamente brasileira.


No entanto, em nota divulgada na página do Facebook, o Grupo Bandeirantes, que fazia a gestão da MPB FM, confirmou que o conteúdo da Rádio BandNews Fluminense passará a ser transmitido na frequência de 90,3 FM


"A programação da rádio que toca exclusivamente música popular brasileira continuará sendo transmitida online no aplicativo Band Rádios para smartphones e na web no site mpbfm.com.br, ficando assim ainda mais acessível para o seu público fiel".
É esperar pra ver...  mas mesmo assim, ainda creio que nossa boa cultura tenha levado um tapa sem mão bem na cara do bom gosto.

=====<<<>>>=====
A música quando boa, instrumental ou não, tem poesia.
E ai, só ai, que é cultura!
Abraços, sempre!!!...
Mu®illo diM@tto

=====<<<>>>=====





  

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Raimundo Fagner


Raimundo Fagner Cândido Lopes, nome completo de Fagnerfoi um dos integrantes do movimento que ficou conhecido como Pessoal do Ceará, na qual contava com BelchiorEdnardoJorge MelloTétiRodger RogérioAmelinhaRicardo BezerraManessés, e outros mais, lá nos idos anos de 1970.

Manera Fru Fru, Manera (ou o Último Pau-de-Arara), é o primeiro disco do cantor e compositor Raimundo Fagner, lançado em 1973, pela PolyGram, que já foi uma das maiores da industria fonográfica, mas que encerrou suas atividades em 1998. Um disco bom, de leveza musical, na qual mostra um Fagner ainda com a boa nordestinidade brejeira em suas veias. Esse é mais um disco entre os tantos que surgiram da chamada "invasão nordestina". O interessante é que no ano de lançamento, esse disco só vendeu 5 mil exemplares, e por isso foi tirado de catálogo... somente em 1976, com o lançamento do segundo disco de Fagner, é que o disco retornou as prateleiras das lojas. O disco tem como artistas convidados: Nara Leão e Naná Vasconcelos    

No entanto, esse primeiro disco de Fagner é visto como um dos mais problemáticos da nossa MPB, pois além da questão dos direitos autorais com a música "Canteiros" cujo texto na realidade era um poema de Cecilia Meireles e não houve nenhuma referência quanto a isso na ficha técnica do disco, a ponto da música ser retirada nas novas prensagens e substituída pelo música "Cavalo Ferro", música de Fagner em parceria com Ricardo Bezerra... anos depois, a música a da dor de cabeça para Fagner foi "Penas do Tiê". Veja o quê foi dito pelo jornalista Jotabê Medeiros, em 1999

"SÃO PAULO - O disco “Manera Fru Fru, Manera”, do cantor e compositor cearense Raimundo Fagner, corre o risco de entrar para o livro dos recordes como o mais problemático da música popular brasileira

Depois de ter sido comprovado, em 1981, que Fagner gravou duas canções que eram plágio de poemas de Cecília Meireles, “Canteiros”, também de “Manera Fru Fru, Manera”, e “Motivo”, de um disco chamado “Fagner”, de 1979), um novo imbróglio se criou em torno de um dos seus sucessos mais conhecidos, “Penas do Tiê”. Fagner alegou, quando do lançamento do disco, que “Penas do Tiê” era uma adaptação sua do folclore, de uma canção recolhida do domínio público.

Penas do Tiê” nada mais é do que uma regravação, ipsis litteris, de “Você”, uma composição de Hekel Tavares (1886-1969) e Nair Mesquita, editada em 1928 e dedicada à cantora lírica Gabriella Besansoni Lage

O “deslize” de Fagner, apontado inicialmente pelo jornalista Tárik de Souza, do Jornal do Brasil, demorou 26 anos para ser descoberto (de 1973 até hoje). E só o foi porque o filho do compositor Hekel Tavares, Alberto Hekel Tavares, ouviu uma gravação recente da Orquestra Pró-Música do Rio de Janeiro, tendo como solista a cantora Ithamara Koorax, e pôde comparar com as gravações anteriores de Fagner

É inacreditável: tratava-se da mesma canção”, diz Alberto Hekel Tavares. Segundo ele, Fagner só mudou duas palavras. “Ele chama a fruta gabiroba de guabiraba, coisa que não existe”, diz Tavares. Desde sua gravação inicial, em 1973, “Penas do Tiê” (ou “Você”) teve diversas regravações. Joanna a gravou no CD “Vidamor”, pela BMG. A Philips a relançou duas vezes. Nana Caymmi a canta em dueto com Fagner no CD “Amigos e Canções”, também da BMG. 

A gravadora Warner Chapell, com quem Fagner assinou contrato para a gravação original de “Manera, Fru Fru, Manera”, admite o equívoco do crédito e está em contato com os advogados dos herdeiros de Hekel Tavares. Fagner, também contatado, reconhece que houve um problema, mas acha muito alta a quantia pedida como indenização: R$ 400 mil.

A canção não só não era do folclore como era bastante conhecida e de um dos grandes compositores brasileiros”, diz Alberto Hekel Tavares. “Nós queremos indenização financeira e também moral, porque a obra do meu pai foi usurpada”, afirma. Caso não haja um acordo, Tavares pretende processar Fagner

Hekel Tavares foi um compositor de sucesso na primeira metade do século. Compunha música popular e também música sinfônica. Nos anos 1950, seu “Concerto em Formas Brasileiras” foi apresentado nos Estados Unidos com a pianista Guiomar Novaes, como solista, e sob a regência do maestro Karl Kruger. (Agência Estado)."

Polêmicas a parte, Raimundo Fagner é um dos maiores contribuintes culturais para a nossa música... 

=====<<<>>>=====
A música quando boa, instrumental ou não, tem poesia.
E ai, só ai, que é cultura!
Abraços, sempre!!!...
Mu®illo diM@tto
=====<<<>>>=====

  

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Grupo Raízes


O Grupo Raízes, entre alguns outros bons, foi um dos contribuintes determinantes para meu crescimento cultural... hoje sempre que lanço mão ao violão para mais uma tentativa de canção, ou até mesmo tento escrever algo, lembro do quanto fui, e ainda sou, influenciado pelo Raízes. 

Vocal, cordas, percussão e competência, sempre...
Capa do segundo disco do grupo.
E é em agradecimento por essa ajuda em minha "formação", que posto algo sobre esse grande grupo que deixou registros como esse disco, que foi, e ainda é, de grande valia para mim....  


Conforme postado no canal do Euterpe Anhum no Youtube:

"Segundo disco do Grupo Raízes, com formação diferente do primeiro, e último com Ângela Linhares no vocal. Infelizmente a qualidade não está das melhores (principalmente a 01 e a 04), foi o melhor mp3 que consegui. Posto mesmo assim, pois é uma linda obra e precisa ser divulgada. 

Grupo Raízes. 
Album: Brejo das almas. 
Ano: 1976.
Lançado por: Crazy - Gravadora e editora.

Charlie - Vocal, flauta e percussão. 
Ângela Linhares - Vocal e percussão. 
Escobar - Violão de nylon.
Milton Azevedo - Violão de aço. 
Arlindo Bello - Baixo elétrico.
Zé Criolo - Percussão.

01 - 00:00 - Verde Maravilha (Ruy Maurity).
02 - 03:23 - Brejo das Almas (Charlie e Milton).
03 - 09:11 - Reza Folia (Charlie e Escobar).
04 - 12:54 - Ventania (Ângela Linhares).
05 - 15:56 - Missa Conga (Tema de Congado, folclore brasileiro, pesquisado pelo radialista Fábio Martins - Adaptação de Ângela Linhares).
06 - 19:10 - Mãe Terra (Charlie e Zé Américo).
07 - 24:05 - Siriri (Folclore Brasileiro adaptação por Ângela Linhares).
08 - 27:30 - Boa Vista (Charlie e Valdir).
09 - 30:38 - Casa de Caboclo (Heckel Tavares e Luis Peixoto).
10 - 33:22 - Laruê de Santos Reis (Saulo e Heitor Pedra Azul). 
11 - 37:48 - Mormaço - Charlie e Escobar (piano - Homero).
12 - 41:46 - Santos Reis (Folclore norte-mineiro pesquisado por Hermes de Paula, adaptação por Charlie).

Informações extras: 

Faixa 05: 
Vocal: Charlie, Escobar, Milton, Chico Diabo e Maxado Nordestino.

Faixa 10: 
Vocal: Saulo, Ângela, Dércio, Charlie e Escobar. 
Viola: Dércio.
Violino: Zé Gomes.
Caixas: Saulo e Charlie."

=====<<<>>>=====
Primeiro disco do Grupo Raízes lançado em 1974 pela Continental.

Lado A

1- Cantoria de fogueira (Charlie e Tino Gomes)
2- Lá no pé da serra (Espídio dos Santos)
3- Pé de Genipapo (Charlie/Tino)
4- Coerência no. 1 (Charlie)
5- Encalço (Charlie/Ângela Linhares)
6- Fotografia (Tino Gomes)

Lado B
1- Cantiga de chegada (Charlie/Tino Gomes)
2- Desentoado (Charlie/Tino Gomes)
3- Leilão (Joracy Camargo/Heckel Tavares)
4- Farol da salvação (Charlie/Tino Gomes)
5- Ateliê do Ricardo (Charlie)
6- Do rio e das pedras (Ângela Linhares)
7- Casa santa (Folclore do Norte de Minas – Adaptação de Charlie, Pino Gomes e Ângela )


Capa do terceiro disco chamado de Olha Bem as Montanhas. 

Faixas:
01 - Se Eu Pudesse Voltar Pra Roça
02 - Estrada Afora Moda de Aboio
03 - De Trem Pra Montes Claros
04 - Vida Consagrada
05 - Sabiá na Gaiola
06 - Iara
07 - A Vida do Violeiro
08 - Os Violeiros
09 - Tempo Das Águas
10 - Antonio Dó
11 - Valsa Do Amor Distante
12 - Olhe Bem As Montanhas
13 - Despedida Os Cantadô e os Tocadô

Precisamos urgentemente da volta de grupos assim, ou de um despertamento da população para que preciosidades como essa não caiam no esquecimento, por que se formos esperar pela grande mídia, teremos somente mais alienação.

 A música quando boa, instrumental ou não, tem poesia.
E ai, só ai, que é cultura!
Abraços, sempre!!!...
Mu®illo diM@tto
=====<<<>>>=====



sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Doroty Marques - Erva Cidreira (Álbum completo, FULL)



Desde os anos 80 eu acompanho, como posso, Doroty Marques... cantadora de raiz das boas e irmã do também cantador, Dércio Marques... infelizmente já falecido. E o quê é também muito infeliz, e isso eu digo sempre, é saber que a nossa mídia não divulga artistas desse naipe... porém, como bem exemplifica um amigo, Antônio Coelho, violonista dos bons: 
"Se você espalhar ouro pelo mundo inteiro...  ele perderá o valor, com certeza". 
E é isso, conforme a sabedoria desse amigo, também poeta, artistas do naipe de Doroty, é ouro puro. 

Doroty além de ser uma musicista de mão cheia, também é uma educadora artística e ativista ambiental, participou da ECO-92, como convidada especial e até foi premiada pela ONU por seu trabalho junto as crianças, seu público alvo como educadora. 

Para conhecer melhor essa artista de nossa terra, acesse os seguintes sites:



E nessa pesquisa do Google confira as participações dela no programa Sr. Brasil, de Rolando Boldrin

https://www.google.com.br/search?q=Doroty+Marques+no+Sr.+Brasil&ie=utf-8&oe=utf-8&gws_rd=cr&ei=Gis3WIWnEsiXwgTPy4yICA  

=====<<<>>>=====
A música quando boa, instrumental ou não, tem poesia.
E ai, só ai, que é cultura!
Abraços, sempre!!!...
Mu®illo diM@tto

=====<<<>>>=====
 

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Cláudio Lacerda, mais um dos bons.


Cláudio Lacerda, é um cantor dos bons e de repertório brejeiro, de valorizada cultura regional... isso faz com que ele, e muitos outros que mantém o estilo maravilhoso de cantar a terra, o amor poético na forma simples, de divulgar a música caipira... a tal e sempre bem-vinda música de raiz, fique a margem dessa mídia que não gosta muito de divulgar o quê a nossa arte tem de excelência. 

As vezes fico pensando se isso é "uma pena", ou um "ainda bem"... pois como já disse uma vez um amigo, talvez isso deixe essa música simples, mas de refino apurado, muito mais interessante... já que o sucesso fácil desgasta a arte, pois que há o compromisso contratual, ou não, de se manter esse "sucesso fácil", e assim se criar coisas que realmente não venham da alma... e a arte separada da alma é um corpo inerte

Então, partindo dessa linha de pensamento e do seguinte principio, que todo artista tem de estar aonde o povo está, acredito que Cláudio Lacerda esteja sempre aonde seu público necessita, como em programas como o do Sr. Brasil (apresentado por Rolando Boldrin), e Viola, Minha Viola (da saudosa Inezita Barroso)... e é certo para que algum dia se apresente no Arrumação (apresentado por Saulo Laranjeira)... pelo menos a torcida para isso é grande... pois que quem curte essa musicalidade genuinamente nossa, é mesmo um público fiel

E o quê acho incrível, é que coisas assim, como essa maravilhosidade sonora desse músico, e de outros tantos que permeam todo esse bloqueio cultural, não ter muitas curtidas nas redes sociais... enquanto que outras coisas, que simplesmente são a idiotice representada naquilo que é tosco, incultural, demasiadamente alienante, batem recordes, a ponto até de se apresentarem em programas de TV por isso... 

Algumas pessoas hoje em dia, até se acham meio que alienígenas, por pensarem assim, que todo esse sucesso midiático está largamente ligado aos extremos do que é de fato ruim.... bom que ainda tenham muitos artistas que nos salvam os tímpanos. 

E como bem conta o histórico em sua página no Facebook:

"Descendente de mineiros, Cláudio sempre esteve ligado à música regional, elo reforçado no período que realizou sua graduação em zootecnia em Botucatu (SP), região conhecida como um dos berços da música caipira paulista.

O CD de estréia, "Alma Lavada" (2003), contou com a participação de Renato Teixeira e abriu portas para o início de sua carreira. Em 2004, venceu o I Prêmio Nacional de Excelência da Viola Caipira, na categoria de melhor intérprete – iniciativa do Instituto Brasileiro da Viola Caipira –, feito repetido na segunda edição do Prêmio, em 2010 e também na terceira, em 2013.

Seu segundo CD “Alma Caipira” (2007) ganhou elogios dos críticos musicais nos jornais O Estado de S. Paulo (São Paulo), Diário de São Paulo (São Paulo), Estado de Minas (Belo Horizonte), Correio Braziliense (Brasília) e da revista Rolling Stones, entre outros. Em 2010, Lacerda gravou seu terceiro CD, o autoral "Cantador", com participação de Dominguinhos.

Dividiu palco ou faixas de seus três discos com Dominguinhos, Renato Teixeira, Miriam Mirah, Pena Branca, Tinoco, Paulo Simões, Alzira Espíndola, Tetê Espíndola, Lula Barbosa e Paulo Freire. Na TV, participou, entre outros, dos programas de Hebe Camargo (Programa Hebe, SBT), Inezita Barroso (Viola minha viola, TV Cultura/SP), Rolando Boldrin (Sr. Brasil, TV Cultura/SP) e Ana Maria Braga (Programa Mais Você,TV Globo)."

Acessem o seu Facebook e acompanhem esse cantador dos bons.

Links de sustentação

Página do Facebook de Cláudio Lacerda:

Cláudio Lacerda no Programa Sr. Brasil:

Cláudio Lacerda no Programa Viola, Minha Viola:

Cláudio Lacerda no Programa da Hebe Camargo:

Cláudio Lacerda no Programa Mosaicos:

Página do Facebook do Programa Arrumação, de Saulo Laranjeira:


=====<<<>>>=====
A música quando boa, instrumental ou não, tem poesia.
E ai, só ai, que é cultura!
Abraços, sempre!!!...
Mu®illo diM@tto

=====<<<>>>=====




quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Passoca... mais um violeiro dos bons.



Passoca... esse é um dos violeiros em que mais admiro. Um instrumentista genuinamente caipira, como bem assume... canta melodias clássicas do nosso regionalismo e também compõe maravilhosamente. Passoca possui uma voz anasalada e isso o diferencia de outros cantadores... não há como ouvir sua voz,  e não dizer que é ele que está cantando, é uma marca registrada. Seu humor irreverente o torna também um dos cantadores caipiras mais divertidos que há.

Marco Antônio Vilalba, nascido em Santos - SP, em 21 de novembro de 1949, arquiteto por formação, tem como influências musicais o "bossa novista", João Gilberto, e o musicalmente eclético, Chico Buarque. Inicialmente Passoca começou tocando bateria e depois violão... mas só quando se redescobriu na viola caipira é que alcançou a sua plenitude sonora. Em muitas entrevistas diz que Renato Andrade, e posteriormente, Renato Teixeira e Almir Sater foram os responsáveis por essa mudança musical. Que bom, afinal a pureza de Passoca trouxe para a musica caipira um reforço e tanto. 

Passoca é mais uma preciosidade da nossa música, que a grande mídia ignora... mas que comumente é visto no Programa Sr. Brasil, de Rolando Boldrin, e no Programa Arrumação, que recentemente voltou a ativa, e é conduzido novamente pelo talentoso Saulo Laranjeira, pela Rede Minas, todos domingos as 11 horas da manhã. Que bom que existam bons programas de entretenimento, além desses que propagam a mesmice nas TV's brasileiras...  

Entrevista com Passoca...

Passoca se apresenta no programa Sr. Brasil...

Página no Facebook sobre Passoca...

A música quando boa, instrumental ou não, tem poesia.
E ai, só ai, que é cultura!
Abraços, sempre!!!...
Mu®illo diM@tto

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Sr. Brasil | 15/03/2015




Sr. Brasil... esse programa, sob a ótica de muitos, é o único em que retrata, na TV, a nossa genuína brasilidade musical. Apresentando o quê há de melhor em nossa MPB e música regional. Trazendo cantores e grupos que ainda mantém o quê podemos chamar de música raiz e aqueles, que mesmo sendo influenciados por outras culturas, produzem um som que é caracterizado como nacional e de qualidade. 

Rolando Boldrin é além de um exímio contador de causos, um cantador, ator, compositor e pesquisador de nossas cultura, que criou esse projeto lá nos anos de 1980, com o programa chamado Som Brasil, que era transmitido também nas manhãs de domingo pela Rede Globo.

Todos os domingos as 10 da manhã esse programa é transmitido pela TV Cultura, e encanta os televisores de muitas gente. É nele que muitos conhecem, lembram, resgatam, artistas que a mídia do entretenimento parece ignorar. Muitos desses artistas quando se apresentam no programa Sr. Brasil declaram que o seu palco é uma espécie de altar para a autentica musica nacional.  O programa é reprisado na madrugada de terça para quarta as 3 da manhã. 

E esse programa no dia 15 de abril de 2015, nos presenteou com um poeta e compositor de extrema sensibilidade: Vander Lee, que infelizmente veio a falecer esse ano, no dia 05 de agosto. Partiu fora do combinado, como bem diz Boldrin. O Sr. Brasil, cujo tema é "vamos tirar o Brasil da gaveta", é assim...

O palco desse programa tem uma outra curiosidade (conforme citado aqui em uma outra postagem)... ele é o único no mundo inteiro que tem a Certificação FSC, dando ao programa a ideia de onde de fato a madeira usada no programa vem... uma forma de combater a madeira ilegal, largamente tão comercializa em nosso país, e mostrando assim que a cultura vai além do ver e ouvir. 

Muito bom, por tudo.   

Links de Sustentação:


http://www.culturaambientalnasescolas.com.br/noticia/meio-ambiente/o-que-e-certificacao-fsc-

http://tvcultura.com.br/programas/srbrasil/

https://www.google.com.br/search?q=fazer+parte+da+plateia+do+Sr.+Brasil&ie=utf-8&oe=utf-8&aq=t&rls=org.mozilla:pt-BR:official&client=firefox-a&gfe_rd=cr&ei=QMQhWP3UPMvM8AeA7ZPIDA



A música quando boa, instrumental ou não, tem poesia.
E ai, só ai, que é cultura!
Abraços, sempre!!!...
Mu®illo diM@tto